Recorde de acesso em:
09/05/2011
é de 923
Total Visitas Únicas: 2.694.514
Visitas Únicas Hoje: 176
Usuários Online: 77
Sistema de Busca
Documento sem título

Newsletter Espacomaria
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Artigos









Visto: 827 - Impresso: 21 - Enviado: 9 - Salvo em Word: 2
Postado em: 20/11/09 às 07:52:23 por: James
Categoria: Artigos
Link: http://www.espacomaria.com.br/?cat=8&id=1148
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Artigos

Pelo jejum, dominamos nossos próprios instintos e paixões, especialmente os excessos da gula, da sexualidade, da bebida, do pecado: dessa forma, o jejum terá o objetivo de nos moderar, eliminando excessos que prejudicam nosso equilíbrio. Além do sentido de penitência e mortificação dos sentidos, o jejum nos ensina a ser solidários para com os mais necessitados, aproximando-nos de Deus.

Todo sacrifício que se faz, na perspectiva da fé e do amor, é oferta agradável ao Senhor, que não quer nossos sacrifícios nem nossos holocaustos, mas nossa obediência, isto é, nosso amor.

Na confissão, o ato essencial da parte do penitente é a conversão do coração e da mente, ou seja, a rejeição clara e inequívoca do pecado, com o firme propósito, nascido do arrependimento, de não voltar a ofender a Deus.

A confissão é difícil? Sim e não.

Existe, naturalmente, a dificuldade de desnudar a alma, com todas as suas misérias, diante de outro ser humano. Mas, ao extirpar de si o mal pela confissão, a gente se sente aliviada Quem não teve um dia experiência como esta?

A confissão dos pecados, porém, é preciso dizer, não é feita para conseguir um desabafo psicológico. Na realidade, contudo, vem a ser uma esplêndida terapia.

Nós, os seres humanos, não somos espírito nem matéria, mas ambas as coisas num só corpo. E funcionamos pela matéria, uma vez que nada existe no entendimento que não haja passado pelos sentidos. Assim, nosso mundo exterior tem sua expressão em gestos e palavras.

Necessitamos ouvir que estamos perdoados, é preciso que o digam, com palavras e gestos.

Jesus, ao perdoar o paralítico, disso isto a ele e disse-o também a Madalena. Em outros casos, ele o fazia com um gesto de amizade, como o que teve para com Zaqueu, quando convidou-se para jantar em casa dele, ou para com Levi, ao chamá-lo para sua companhia.

No tribunal da misericórdia, a confissão, o assunto é resolvido entre o penitente e Deus. Deus é o juiz, e ele age por meio do sacerdote. Se, no entanto, o pecador não expuser com precisão o estado de sua consciência, como poderá o sacerdote conhecer a causa de suas transgressões, para absolver ou reter seus pecados?

Não esqueçamos que quem perdoa na penitência, por meio do sacerdote, é Cristo.






       





Postado por: James - www.espacomaria.com.br em: 20/11/09 às 07:52:23 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacomaria.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES