Recorde de acesso em:
09/05/2011
é de 923
Total Visitas Únicas: 2.749.595
Visitas Únicas Hoje: 216
Usuários Online: 60
Sistema de Busca
Documento sem título

Newsletter Espacomaria
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Saiba Mais









Visto: 1000 - Impresso: 19 - Enviado: 6 - Salvo em Word: 11
Postado em: 26/04/16 às 07:57:07 por: James
Categoria: Saiba Mais
Link: http://www.espacomaria.com.br/?cat=71&id=4298
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Saiba Mais

Uma reflexão magistral de dom Fulton Sheen (1895-1979) sobre a sublimidade da Sagrada Família e o seu exemplo para os casais!

Reproduzimos a seguir uma exortação do arcebispo norte-americano dom Fulton Sheen (1895-1979) sobre o matrimônio cristão vivido a exemplo da Sagrada Família de Nazaré. É uma preciosidade!

Quero falar-vos de um matrimônio que formou uma família: o de Maria e José

Para se explicar a singularidade destas núpcias, importa ter presente uma verdade: pode haver casamento sem haver união física.

Isto pode verificar-se por três razões: porque os sentidos, já saciados, se tornaram insensíveis; porque os esposos, depois de se terem unido, fazem voto a Deus de renunciarem ao prazer para se dedicarem aos mais sublimes êxtases do espírito; e, finalmente, porque os esposos, não obstante o casamento, fazem voto de virgindade, renunciando aos direitos recíprocos. E a virgindade torna-se o fulcro desta união.

Uma coisa é renunciar aos prazeres da vida conjugal pela saciedade experimentada; outra é renunciar a eles antes de se terem experimentado, para formar apenas uma união de corações, como nas núpcias de Maria e José.

Eles se uniram como duas estrelas que nunca se conjugam, enquanto as suas luzes se cruzam na atmosfera.

Foi um enlace semelhante ao que se dá na primavera entre as flores que irradiam conjuntamente os seus perfumes; melodia formada pela fusão de sons de instrumentos diferentes.

Os esposos, renunciando aos seus direitos recíprocos, não destroem a essência do matrimônio, pois, como diz Santo Agostinho: “A base de um casamento de amor é a união dos corações”.

Isto sugere uma pergunta: por que foi necessário o casamento, se Maria e José fizeram voto de virgindade?

O casamento era necessário, não obstante o voto de virgindade, para preservar a Virgem de qualquer sombra, enquanto não chegasse o momento, para Ela, de revelar o mistério do nascimento de Jesus.

Julgou-se, então, que Nosso Senhor era filho de São José. E, assim, o nascimento de Cristo não foi exposto ao sarcasmo do povo, nem foi motivo de escândalo para os fracos na fé. Deste modo, a pureza de Maria pôde ter em José um testemunho e bem valioso.

Porém, todo o privilégio de graça deve ser correspondido. Maria e José haviam de vir a pagá-lo com a sua maior dor.

O Anjo não lhe havia mandado revelar a obra do Espírito Santo realizada nela, e Maria calou-se. José, não sabendo como explicar o fenômeno, pensou em repudiá-la.

Nossa Senhora revelou outrora a um santo: “Nunca experimentei angústia mais intensa, depois da do Gólgota, do que a dos dias em que, com meu pesar, tive de desagradar a José, que era um justo”.

José, não podendo compreender o sucedido, sofria: sabia que Maria tinha feito, como ele, voto de virgindade, e, portanto, reputando-a acima de toda suspeita, não queria considerá-la culpada. Que havia ele de pensar?

A surpresa de José era comparável à de Maria, quando, no momento da Anunciação, perguntou: “Como pode isso acontecer, se eu não conheço homem?”. Maria queria saber como podia ser virgem e mãe; José não sabia como podia ser virgem e pai.

E o anjo explicou-lhe que só Deus tinha o poder de fazer isso; não a ciência humana. Só os que entendem as vozes dos anjos podem penetrar este mistério.

Como José queria repudiar secretamente Maria, o anjo levantou-lhe o véu do mistério: de fato, apenas tal pensamento se apresentou ao espírito de José, apareceu-lhe em sonho um anjo que lhe disse: “José, filho de Davi, não receies ter contigo a tua esposa Maria, porque Aquele que dela há de nascer é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho a quem darás o nome de Jesus. Ele libertará o seu povo dos pecados” (Mateus 1, 20-21).

E assim, conhecendo as razões do nascimento de Cristo, José pôde encontrar de novo a paz. A sua alma transbordou de felicidade ao saber que era o pai putativo do Salvador do mundo e o guardião da Mãe daquele que não cabe nos céus.

Eis-nos, agora, na segunda pergunta relativa a José: era ele velho ou novo?

A maior parte das esculturas e dos quadros no-lo apresenta como um ancião de longas barbas brancas. Não há, todavia, nenhum dado histórico preciso a nos indicar a sua idade. Se indagarmos as razões pelas quais, em arte, ele é representado como um velho, descobrimos que esse aspecto lhe é atribuído em virtude de assim lhe caber melhor a função de guardião da virgindade de Maria.

Mas a arte fez de José um marido casto e puro mais pela idade que pela virtude. É como admitir que a melhor forma de representar um homem que nunca roubará é imaginá-lo sem mãos.

Esquece-se, acima de tudo, que, nos velhos, podem arder os mesmos maus desejos que nos jovens. Temos um exemplo em Suzana. Foram alguns velhos que a tentaram no jardim. Representando-se José como ancião, atribui-se maior merecimento à idade de um homem do que à sua virtude.

Considerar José como puro por ser velho seria o mesmo que querer exaltar uma torrente montanhosa privada de água. Antes parece lógico pensar que Nosso Senhor preferiu para pai putativo um homem que sabia e queria sacrificar-se, e não um que fosse obrigado a isso. De resto, parece-nos possível que Deus quisesse unir uma donzela a um idoso? Se Ele não desdenhou, aos pés da Cruz, confiar sua mãe ao jovem João, por que havia de a querer, na primavera da vida, ligada a um ancião?

O amor da mulher determina o do homem. A mulher é a silenciosa educadora da virilidade do marido. Uma vez que Maria é o símbolo da virgindade e é para todos a sublime inspiradora da pureza, por que não havia Ela de ter exercido essa maravilhosa fascinação sobre José, o Justo?

Não diminuindo a potência do amor, mas sublimando-a, ela conquistou o seu jovem esposo. Quero, pois, admitir que José fosse jovem, forte, viril, atlético, formoso e casto; aquele tipo de homem que ainda hoje podeis ver num prado a apascentar um rebanho, ou a pilotar um avião, ou na oficina de um carpinteiro.

Longe de ser incapaz de amar, ele estava em plena efervescência viril; não fruto seco, mas flor exuberante e promissora; não no ocaso da vida, mas no alvorecer, pletórico de energia, de força e de paixão!

Como nos aparecem mais belos Maria e José quando, ao contemplarmos a sua vida, descobrimos neles o primeiro romance de amor!

O coração humano não se comove diante do amor de um velho por uma jovem, mas como não nos sentirmos profundamente impressionados com o amor de dois jovens cujo liame é divino?

Maria e José eram ambos jovens, formosos e cheios de possibilidades.

Deus ama as cataratas impetuosas e as turbulentas cascatas, mas estou certo de que Ele as prefere, com a energia que delas emana, quando iluminam as cidades e, com suas águas, mitigam a sede de uma criança. Em Maria e José encontramos dois jovens que se entregam inteiramente à “paixão sem paixão” e à “impetuosa calma” de Jesus.

Maria e José levaram para as suas núpcias não só os seus votos de virgindade, mas também dois corações cheios de um amor maior que qualquer amor jamais alimentado por corações humanos. Nunca um par de noivos se amou tanto!

Posso perguntar-vos, a vós que sois casados: a que tendeis depois de vos terdes amado? Ao Infinito, a um eterno êxtase. Mas vós não podeis experimentá-lo na sua plenitude, porque o Infinito a que a vossa alma aspira está aprisionado pelo corpo. Isto vos obstrui o caminho para Deus, ao qual aspirais. Mas, se hoje, o ato de amor não vos faz experimentar uma delícia infinita, amanhã ser-vos-á dado experimentá-la no céu. Já não será então necessária a união dos corpos, porque tereis o amor infinito.

Eis porque disse Deus que no céu não haverá matrimônios. Não será necessária a aparência, porque tereis a substância. Ireis vós afadigar-vos para descobrirdes um raio de sol refletido num espelho se dele podeis gozar diretamente?

Pois bem, a alegria de possuir no céu um amor eterno, sem limites, para o qual aspira o vosso matrimônio em Cristo, foi já experimentado por Maria e José. Vós tendes necessidade da união material porque não possuís a realidade de Deus. Maria e José, possuindo Jesus, nada mais desejavam. Vós necessitais da comunhão física para compreenderdes a união de Cristo e da Igreja. Eles não, porque lhes fora confiada a Divindade.

Como disse Leão XIII em termos maravilhosos: “O seu matrimônio foi consumado em Jesus”. Vós vos unis nos corpos; eles, em Jesus. Por que haviam eles de procurar as alegrias da carne quando, em seu amor, estava a Luz do Mundo?

Em verdade, Ele é Jesus, a delícia dos corações. Estando Ele presente, nada mais conta.
Do mesmo modo que marido e mulher, inclinados sobre o berço do seu menino recém-nascido, se esquecem de si mesmos, assim Maria e José não tiveram outro pensamento senão Jesus.

Amor mais profundo nunca houve nem haverá jamais sobre a terra. Não alcançaram Deus através do seu amor recíproco, mas, tendo-se dirigido primeiramente a Ele, sentiram depois esse grande e puro amor um pelo outro.

José renunciou à paternidade no sangue, mas encontrou-a no espírito, pois tornou-se pai putativo de Jesus. Maria renunciou à maternidade, e encontrou-a na sua própria virgindade. Ela foi como o jardim fechado em que nada pôde entrar senão a Luz do Mundo, tal como a luz do dia penetra em uma sala sem lhe partir os vidros.

Dedico esta transmissão a todos vós os que sois casados cristãmente e a todos os que um dia hão de ser admitidos ao grande mistério do amor.

Sirva o exemplo de Maria e José para vos fazer compreender que o maior erro de um casal de noivos é o de suporem que duas pessoas são suficientes para se desposarem: ele e ela. Não! São necessárias três: ele, ela e Deus! José, Maria, Jesus.

Poderei pedir-vos, marido, mulher e filhos, que rezeis em comum, em homenagem a este amor perfeito da Sagrada Família, um rosário todas as noites? Todos os casais que eu tenho unido em matrimônio vos podem dizer que foi sempre esta a minha recomendação: rezarem todos em comum.

A oração de uma família unida é mais aceita a Deus do que aquela que se faz individualmente, porque a família representa a unidade da sociedade. O cristianismo é a única religião que tem caráter familiar, porque tem origem numa Mãe e num Filho.

Enquanto vós rezardes todas as noites o santo rosário com a vossa família, Nossa Senhora vos revelará o segredo do Amor e, talvez, vos segredeis entre vós: “Amo-te; não segundo a minha vontade, mas segundo a de Deus. Se, no amor, tu procurares a mim somente, não encontrarás nada; mas, se através de mim, procurares Deus, encontrarás tudo, porque, repito, é necessário sermos três para nos amarmos: tu, eu e Deus!”.

No amor de Jesus!

Dom Fulton J. Sheen



Fonte: www.aleteia.org



       





Postado por: James - www.espacomaria.com.br em: 26/04/16 às 07:57:07 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM






Copyright 2006 - 2015 - www.espacomaria.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES