Recorde de acesso em:
09/05/2011
é de 923
Total Visitas Únicas: 2.708.729
Visitas Únicas Hoje: 273
Usuários Online: 35
Sistema de Busca
Documento sem título


Warning: include(enquete.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/espacoma/public_html/index.php on line 216

Warning: include(enquete.php): failed to open stream: No such file or directory in /home/espacoma/public_html/index.php on line 216

Warning: include(): Failed opening 'enquete.php' for inclusion (include_path='.:/opt/alt/php55/usr/share/pear:/opt/alt/php55/usr/share/php') in /home/espacoma/public_html/index.php on line 216
Newsletter Espacomaria
Receba nossas atualizações diretamente no seu Email - Grátis!
 

Reflexões









Visto: 941 - Impresso: 35 - Enviado: 19 - Salvo em Word: 9
Postado em: 01/11/09 às 08:27:36 por: James
Categoria: Reflexões
Link: http://www.espacomaria.com.br/?cat=5&id=1010
Marcado como: Artigo Simples
Ver todos os artigos desta Categoria: Reflexões

Rainha de todos os santos
A oitava das doze invocações de Maria como “Rainha” saúda a Mãe de Deus como “Rainha de todos os Santos”, em latim Regina Sanctorum omnium. Após os apóstolos, mártires, os confessores da fé e as virgens, chegamos a todos os que viveram uma vida exemplar de configuração a Cristo: os santos. Santidade é isso: “amar como Jesus amor, sonhar como Jesus sonhou, viver como Jesus viveu, sentir o que Jesus sentia, sorrir como Jesus sorria!” (Pe. Zezinho, scj). É poder repetir as palavras do apóstolo Paulo: “Já não sou eu que vivo; é Cristo que vive em mim” (Gal 2,20).

Com Maria não foi diferente. Em sua vida de santidade ela foi se tornando cada vez mais parecida com seu filho. É um caso único. Normalmente os filhos é que nascem parecidos com a mãe. Príncipes são os filhos das rainhas. Mas Jesus não herdou sua realeza de Maria. Ela é que se tornou rainha por ter sido a mãe do Rei dos reis.

Canta-se por aí que Jesus é o “Filho da Rainha”. Fico me perguntando por que a Igreja não utilizou este título em 2.000 anos de história. Pessoalmente não o utilizaria e se corrigisse a canção sugeriria a mudança para “o Filho de Maria”. Mas não acho que exista um erro teológico na expressão e nem mesmo uma heresia. Somente não é usual, é impreciso e pode exagerar o valor de Maria diante do primado do Filho, que é Rei. As metáforas próprias da expressão poética sempre escondem alguma imprecisão, e talvez seja isso que lhes dê a capacidade de revelar algo a mais do Mistério, muitas vezes inacessível à reflexão teológica. A liturgia é repleta de metáforas. Os salmos exageram nas comparações.

Não podemos negar que Maria é chamada de Rainha em toda a Tradição da Igreja. No tempo Pascal rezamos o Regina Coeli. No final do Rosário rezamos a Salve Rainha. A ladainha mariana exagera no reinado de Maria, chamando-a até de Rainha dos Apostolos (Regina Apostolorum). Temos até mesmo uma esclarecedora Encíclica de Pio XII (1954), sobre a realeza de Maria. A encíclica se reporta a Maria como rainha com expressões como: Mãe do Rei divino, bem-aventurada rainha virgem Maria, Mãe do céu, Mãe do meu Senhor”,”mãe do Rei”, a mãe do Rei, Virgem augusta e protetora, rainha e senhora, Mãe do Rei de todo o universo”, “Mãe virgem, [que] deu à luz o Rei do todo o mundo”, senhora, “dominadora” e “rainha”, “Senhora dos mortais, santíssima Mãe de Deus, rainha do gênero humano, “Senhora de todos aqueles que habitam a terra”,”rainha, protetora e senhora”, senhora de todas as criaturas”ditosa rainha”, “rainha eterna junto do Filho Rei”, rainha de todas as coisas criadas, rainha do mundo e senhora do universo Mãe e Rainha, Mãe do Rei dos reis etc.

Todos estes títulos apenas encontram justificativa na íntima união entre Maria e seu Filho Jesus, no horizonte da doutrina da recapitulação já delineada por Santo Irineu no século II. É por isso que Pio XII afirma de modo bastante claro: “E certo que no sentido pleno, próprio e absoluto, somente Jesus Cristo, Deus e homem, é rei; mas também Maria - de maneira limitada e analógica, como Mãe de Cristo-Deus e como associada à obra do divino Redentor, à sua luta contra os inimigos e ao triunfo deles obtido participa da dignidade real. De fato, dessa união com Cristo-Rei deriva para ela tão esplendente sublimidade, que supera a excelência de todas as coisas criadas: dessa mesma união com Cristo nasce aquele poder real, pelo qual ela pode dispensar os tesouros do reino do Redentor divino; finalmente, da mesma união com Cristo se origina a inexaurível eficácia da sua intercessão junto do Filho e do Pai” (nº 37).

Recordo que quando era criança, em Brusque, a todos que perguntavam quem eu era, respondia: “O filho da Dona Glória”. Hoje minha mãe costuma ter que se apresentar dizendo que é a mãe do Padre Joãozinho. Mas realmente existe alguma diferença? Rainha de todos os Santos, rogai por nós!



padre Joaozinho scj



       





Postado por: James - www.espacomaria.com.br em: 01/11/09 às 08:27:36 h.


Saiba como contribuir com nosso site:

1) O vídeo não abre? O arquivo não baixa? Existe algum erro neste artigo? Clique aqui!   [ Leia + ]

2) - Receba diariamente os artigos do nosso site em seu e-mail. Cadastre-se Aqui! é grátis!
 
3) - Ajude nossos irmãos a crescerem na fé, envie seu artigo, testemunho, foto ou curiosidade. Envie por aqui!

4) - Ajude a manter este site no ar, para fazer doações clique no botão abaixo.




LEIA TAMBÉM











Copyright 2006 - 2015 - www.espacomaria.com.br - Todos os Direitos Reservados - Santarém - Pará - Brasil
Desenvolvido por: ESPACOJAMES